Anhembi: Mancha Verde e Tatuapé saem na frente na primeira noite em São Paulo

Hospitalizado após sofrer um AVC, Arlindo Cruz marca presença na homenagem da X-9. Império de Casa Verde, Colorado, Tucuruvi e Tom Maior completam a noite

 

 

Como era de se esperar, a primeira noite dos desfiles das escolas de samba de são Paulo foi bastante equilibrada. Em busca do primeiro título do Grupo Especial, a Mancha Verde investiu pesado na contratação do carnavalesco Jorge Freitas e deixou claro que a agremiação que quiser ser campeã terá que derrotar a escola alviverde. Atual bicampempeã, a Tatuapé também deve disputar as primeiras colocações, mas deve perder décimos de pontos importantes por causa de problemas com uma de suas alegorias, assim como o Império de Casa Verde que, apesar da grande apresentação, também deve ser penalizada pelos problemas de evolução. A noite ainda teve as passagens de Tucuruvi, Tom Maior, o retorno da Colorado do Brás, após duas décadas e meia afastada do principal grupo das escolas de São Paulo, e a homenagem da X-9 Paulistana ao sambista Arlindo Cruz, que mesmo com todos os problemas de saúde e em uma situação delicada, compareceu no desfile e emocionou o Anhembi deixando muita gente com os olhos marejados nas arquibancadas e cadeiras de pista.

 

COLORADO DO BRÁS

Após vinte e cinco anos afastada do Grupo Especial, a Colorado do Brás fez uma apresentação digna em seu retorno à elite do samba paulistano. Com um enredo sobre o Quênia a escola mostrou bastante disposição e pés no chão, fazendo um carnaval dentro de seus limites para se manter na entre as grandes do carnaval. Apesar da parte plástica ter deixado a desejar, o simpático samba foi um dos mais cantados da noite no Anhembi. O refrão principal da obra, com  uma citação da canção “Hakuna Matata” do filme Rei Leão, ganhou os componentes que brincaram livres e soltos na Avenida. Porém, na metade final do desfile a chuva caiu e deu uma esfriada no calor dos foliões.

 

- Veja a largada da Colorado do Brás no desfile oficial de 2019

 

 

IMPÉRIO DE CASA VERDE

Depois de perder o carnavalesco para a Mancha, o Império de Casa Verde se reestruturou e pisou no Anhembi disposto a mostrar que iria brigar pelo topo da tabela. Sob o embalo do ótimo Carlão JR, intérprete oficial, que colocou o samba pra cima, inflamando os componentes, o Tigre Guerreiro do Brasil mostrava que iria ser uma dos grandes favoritos pela disputa do título. Falando do cinema, a escola iniciou sua apresentação de forma avassaladora. Como as fantasias e alegorias faziam referências aos grandes clássicos da telona, a identificação do público foi instantânea. A perfeição na reprodução dos figurinos chamou bastante atenção da plateia que viu o tigre colocando Darth Vader pra sambar. Como nem tudo são flores, a escola teve problemas de evolução e correu bastante na parte final para poder encerrar sua apresentação sem estourar o tempo, encerrando sua passagem no limite de 65 minutos, tempo máximo para que a escola se apresente e não seja punida com perdas de pontos.

 

- Veja a largada do Império de Cassa Verde no desfile oficial de 2019

 

 

MANCHA VERDE

Em busca do sonhado campeonato do Grupo Especial a Mancha Verde entrou na Avenida para confirmar que é uma das grandes favoritas para a disputa do título. Como de costume, o desfile preparado pelo carnavalesco Jorge Freitas mostrou uma riqueza de detalhes que impressiona quem assiste. Além do excelente acabamento, a garra dos componentes e a segurança do carro de som da escola deram o tom da apresentação praticamente impecável da agremiação alviverde, praticamente sem percalços durante toda a passagem pela Passarela do Samba, o que em um carnaval equilibrado como é o de São Paulo, coloca a escola que erra menos em vantagem na disputa pela taça. O ponto negativo ficou por conta do peso de algumas fantasias, o que, em determinados momentos, atrapalhou o canto da escola.

 

- Veja a largada da Mancha Verde no desfile oficial de 2019

 

 

TUCURUVI

Depois de não ser julgada no último carnaval por causa do incêndio que atingiu seu barracão a poucos dias do carnaval, a Tucuruvi entrou na Avenida com um enredo na linha das críticas sociais e foi mais uma escola que fez uma boa apresentação. Mesmo com o orçamento limitado, a escola deu o seu recado. Destaque para o intérprete Leonardo Bessa e para a bateria de mestre Guma que conduziram muito bem o bom samba do povo do Zaca.

 

- Veja a largada da Tucuruvi no desfile oficial de 2019

 

 

ACADÊMICOS DO TATUAPÉ

Em busca do tri, Acadêmicos do Tatuapé pisou forte na passarela do samba. Já na comissão de frete pode se notar a qualidade das fantasias e do acabamento das alegorias que colocaria a escola na disputa do caneco. Outro ponto bastante positivo da escola da zona Leste foi a parte musical do desfile. Sob o comando de mestre Higor, a bateria fez uma passagem bastante segura para deixar o intérprete Celsinho Mody tranquilo na condução do samba. Aliás, o time de cantores da Tatuapé é dos mais competentes da Avenida.  Mas como nem tudo são flores, um telão apagado em uma das alegorias e alguns percalços durante a passagem podem comprometer a busca da agremiação pelo terceiro campeonato seguido. Mesmo assim, tem que se respeitar a comunidade da escola que se mostrou, mais uma vez, um diferencial na pista. O canto, especialmente quando o carro de som fazia uma parada proposital, ecoava bem alto pelo Anhembi.

 

- Veja a largada da Tatuapé no desfile oficial de 2019

 

  

X-9 PAULISTANA

Com um dos melhores sambas do carnaval, a X-9 Paulistana apostou na emoção em sua homenagem ao sambista Arlindo Cruz. Mesmo com todos os problemas de saúde que teve ao longo do último ano, quando foi hospitalizado com um AVC (acidente vascular cerebral), o compositor compareceu ao desfile da Xis acompanhado de toda a família. Com as pernas cobertas pela bandeira do Império Serrano, sua escola de coração, o compositor carioca desfilou sentado em uma cadeira de rosas e com um machado de Xangô nas mãos. Se o samba funcionou muito bem, o mesmo não se pode dizer da parte plástica da agremiação. Certamente, foi a pior apresentação estética da X-9 nas últimas décadas. As alegorias foram o ponto fraco da passagem da escola. Muitas vezes a impressão de quem assistia o desfile era que os carros alegóricos não haviam sido terminados para desfilarem na elite do carnaval paulistano. Em uma disputa que qualquer décimo faz diferença, a escola da zona norte se colocou em uma situação bastante delicada para a apuração da próxima terça.

 

- Veja a largada da X-9 Paulistana no desfile oficial de 2019

 

 

TOM MAIOR

Ultima escola a passar pelo Anhembi, a Tom Maior entrou na Avenida disposta a mostrar que o quarto lugar do último ano, quando empatou em número de pontos com a Tatuapé, perdendo o título nos critérios de desempate, não foi um acidente. Com o dia claro, a Vermelha e Amarela do Sumaré fez uma bela apresentação. Os componentes da escola aproveitaram para se divertir à luz do astro rei. O carnavalesco abusou da cor branca nos primeiros setores da escola, o que sem dúvida foi uma aposta arriscada. Em alguns momentos deram certo, porém, às vezes o reflexo do sol deixava as duas primeiras alegorias bastante destacadas e não se enxergava os detalhes por causa do reflexo do som. Assim, como no último ano, o intérprete Bruno Ribas foi um dos destaques da apresentação desta manhã de sábado de carnaval.

 

- Veja a largada da Tom Maior no desfile oficial de 2019

Copyright© 2007/2018 - TAMBORINS.COM.BR - Todos os direitos reservados.
Este material não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.